sexta-feira, 1 de maio de 2015

Mitologia Nórdica, deuses(as)- Frigg:



Frigga é a Deusa escandinava da fertilidade da terra, protetora das famílias e das tribos.Seu nome significa "Aquela que ama" e é conhecida pelos nomes: Frigg, Frige, Frija, Fricka, Frea, Frewa, Fruwa, Hlin, Hlyn, e Lin. Vrou-elde era o nome holandês dela.

A palavra "Friday"(sexta-feira em inglês) deriva do nome de Frigg. Este seria o dia dedicado a ela, ou seja: "Frigg's Day" (o dia de Frigg).

Frigg é a deusa-mãe, esposa de Odin, e rainha de Asgard; líder das Ásynjur (plural de Ásynja) que são as deusas do clã Aesir. Ásynjur é o feminino de Aesir (plural de ǫ́ss ou áss, ás). O termo "ǫ́ss", do norueguês antigo, significa: deus; logo aesir, seu plural significa: deuses; e ásynja: deusa; e ásynjur: deusas.


Frigga se apresenta como uma mulher madura e majestosa, com os cabelos da cor das folhas de outono, trançados e presos em forma de coroa com faiscantes pedras preciosas lapidadas como estrelas. Suas vestes são simples, mas sempre usa um colar de âmbar e um cinto dourado com várias chaves penduradas. Às vezes porta um manto de penas (de cisne ou falcão) representando seu dom de metamorfose para sobrevoar os nove mundo dos cosmos.

Além de ser esposa de Odin, é mãe de: Balðr (Baldr), Höðr (Hóder) e Hermóðr (Hermod). Na verdade, não se sabe ao certo quem é a mãe de Hermóðr, só que ele é filho de Odin e irmão de Balðr; porém se acredita que seja Frigg.Ela é madrasta de:  Þórr (Thor), Vali, Vidar, Bragi e Meili. Teve uma união bem-sucedida com Odin, tanto que dividiu seu trono, chamado Hildskjalf, com ele e de onde podia ver os nove mundos.
Entretanto, dividia sua cama com Vili e Ve, irmãos de Odin, quando este último saía em jornadas fora de Asgard.
 
O adultério era desculpado pelos nórdicos, mas condenado pelos gregos.
Frigga era considerada como a Deusa defensora da paz.Eram às mulheres que cabia o papel de intermediadoras e promotoras da paz.


O culto à Frigga era base para todas as uniões legais entre homens e mulheres e a base para todos os códigos morais da sociedade germânica.
Por esta razão, os seguidores de Frigga eram considerados mediadores, ou primitivos advogados que ocupavam uma posição elevada, honrada e respeitada pela comunidade.
Para eles, a lealdade e a família vinham em primeiro lugar, seguido pelos amigos do clã, o Senhor e o Rei. Quebrar um juramento, naquela época levava o indivíduo à morte ou banimento pela sociedade.

O banimento era considerado uma morte lenta e tortuosa, pois o indivíduo era deixado só em uma região totalmente isolada de muito frio e neve, sem nenhum alimento.

Frigg é um símbolo de doçura, e deusa da fertilidade, do amor e da união. É a protetora da família, das mães e das donas-de-casa. Ela também tem o dom da profecia, mas não revela a ninguém o que sabe.

É interessante acrescentar que Frigga é uma Deusa muito antiga, com fortes conexões com a Terra.

O controle da natureza exercido por Frigga é claramente visualizado quando ela pede para que toda a criação não prejudique seu filho Baldur e quando tudo ganha nova vida com suas bençãos.Invoque Frigga para: fertilidade, proteção, saúde, sabedoria, a paixão, a magia sexual, liberdade sexual, mágica do nó, durante o parto, para proteger sua casa, encontrar um nome para uma criança que está para nascer e para saber do passado, presente e futuro.

Sexta-feira é o dia mais propício e poderoso para a invocação de Frigga. Os animais consagrados à esta Deusa são: o ganso, o gato, o porco, o pardal e o cavalo.
Frigga é a expressão mais moderna das Deusas Antigas. Ela está mais perto da humanidade e dos interesses humanos porque é a Deusa da Ordem Social e das Relações Sociais.É Ela que tece a teia da sociedade e dá forma à humanidade. Ela , é a única, além de Odin, que pode se sentar no Hliðskjálf (Hlidskialf - trono da onde Odin e Frigg podem ver o universo ou melhor os 9 mundos).
Frigg é filha de Fjörgynn (O deus da terra. Não confundir com Fjörgyn/Jörd que seria a deusa da terra. Os nomes se diferem apenas por um "n". Ambos seriam personificações da Terra, um a personificação masculina, o outro a feminina).
 
Frigg tem uma irmã chamada Fulla (ou Volla) que é a deusa da abundância/fertilidade. Seu nome significa: beneficente/caridosa. Fulla é sua serva e sua confidente; ela carrega a caixa mágica da irmã e é quem cuida de seus sapatos.


Frigg tinha 12 servas, as Ásynjur, dentre elas, além de sua irmã Fulla, estava Eir, que era sua amiga e também deusa da cura/medicina. As três principais assistentes de Frigg eram: Hlín (deusa da proteção), Gná (deusa dos mensageiros) e Fulla (deusa da fertilidade/abundância); mas há a possibilidade, dessas três deusas serem apenas manifestações da própria deusa Frigg.

Frigg e suas Servas (todas deusas

Funções das 12 serventes de Frigg:

• Hlín: proteger aos homens e consolar os mortais apenados. Se Frigg quisesse proteger alguém de um perigo, Hlín era encarregada desse ofício.

• Gná: cuida dos assuntos de Frigg ao redor do mundo, por isso tem um cavalo, capaz de se mover pelo ar e pelo mar, chamado: Hófvarpnir.

• Fulla: cuida de seus sapatos, de sua caixa mágica, e é sua confidente.


• Saga: a sábia contadora de histórias e detentora das memórias ancestrais;

• Eri: a curadora hábil no uso de ervas e raízes;

• Sin: guardiã dos limites, portais e de tudo que precisa ficar escondido ou fechado

• Gefjon: padroeira das mulheres solteiras e doadora da abundância como fruto do trabalho;

• Sjofn: abre os corações para o amor e a afeição;

• Lofn : abençoa as uniões com permissão, proteção e paz;

• Var: é a testemunha dos juramentos, que pune os transgressores e zela pela integridade moral e espiritual;

• Vor: guia a intuição, aprofunda a compreensão e a expansão da consciência;

• Snotra: ensina a conduta certa, reforça os elos grupais e as qualidades de gentileza, honra e parceria.

 Protetora das mulheres, Frigga as conduz no aprendizado dos Mistérios do Sangue e nos ritos de passagem ao longo das suas vidas. Como Grande Tecelã, Ela fia a energia cósmica e entrega os fios para as Nornes, as Senhoras do Destino, que são as responsáveis por tecer a intrincada e complexa tessitura do destino universal.


Na cosmologia nórdica existem dois conceitos representando o destino, chamados orlög e wyrd. Orlög: refere-se aos fatores que não podem ser mudados como: raça e país de origem, ancestralidade, família, genética, potencial inato, perfil astrológico, ações e eventos passados da trajetória individual, familiar e grupal e suas implicações na vida presente. Orlög: é a base do destino e do próprio mundo e está além do nosso alcance, por ser imutável. Podemos imaginá-lo como uma urdidura (ou trama) de fios, fixada no tear cósmico, através dos quais move-se a laçadeira que conduz os fios móveis do wyrd. Diferente do orlög, o wyrd é mutável por ser constituído por nossas ações, atitudes e escolhas atuais, cujas conseqüências irão se refletir no futuro.

Podemos mudar a cor dos fios do wyrd, a velocidade com qual se move a laçadeira e a padronagem da tessitura, porém jamais poderemos alterar a trama básica do orlög, que reina absoluto na atuação das leis do destino. Tanto o orlög quanto o wyrd formam a teia da nossa vida, tecida pelas Nornas, que ficam sentadas sob as raízes de Yggdrasil, a Árvore do Mundo, e monitoram a vida dos deuses e dos seres humanos. Tudo está subordinado às leis das Nornas, nem mesmo as divindades escapam das leis eternas e inexoráveis.



Frigga é a única deusa que compartilha da sabedoria das Nornas, pois Ela percebe e compreende a diversidade das modulações da tessitura cósmica, mas não revela esse conhecimento. Sem poder mudar o orlög, Frigga, no entanto, pode tecer encantamentos de proteção para aqueles que Ela ama e protege, como as mulheres, em especial as gestantes e parturientes, os recém nascidos e os casais que desejam ter filhos.


Rituais
Observação : Não faça qualquer ritual sem ter noção de suas atitudes.


A melhor maneira para pedir ajuda para a deusa Frigga é sentir o desejo sincero de harmonizar e apaziguar sua família e o seu lar. A energia do nosso ambiente doméstico permeia todos os aspectos da nossa vida e nos afeta de forma sutil ou intensa. Nosso lar deve ser nosso santuário, um oásis de tranqüilidade e bem estar, onde podemos nos refugiar e refazer do desgaste cotidiano, despindo nossas armaduras, descartando máscaras e abrindo nossos corações para receber e dar amor.

 Cada vez que sentirmos energias negativas invadindo nosso lar e criando discórdias e desassossego, podemos criar um pequeno ritual reunindo nossos familiares ao redor da mesa de jantar, acendendo uma vela no centro cercada de frutas secas e frescas, sementes e flores. Após uma curta oração para a Mãe Divina (arquétipo fácil de compreender e aceitar por todos) pediremos que cada pessoa possa fazer uma avaliação em relação a um fato doloroso do passado, dele se desligando e perdoando, comendo depois uma fruta seca e agradecendo pela cura e transmutação. Logo após se agradecem as dádivas do presente - incluindo a família e o lar - comendo uma fruta fresca. Em seguida faz-se uma invocação e um pedido relacionado com um projeto futuro, mastigando devagar três sementes e mentalizando sua realização.

 No final todos fazem um brinde com suco de maçã agradecendo as futuras conquistas e de mãos dadas, cada um expressa seu compromissos pessoal para contribuir à sua maneira na manutenção da harmonia familiar. Quem quiser, poderá acender uma vela e caminhar ao redor da casa no sentido horário, visualizando a luz divina clareando as sombras e afastando a negatividade, interna e externa. A seguir as velas serão colocadas perto da lareira ou do fogão e deixadas para queimar até o fim. A mulher que invocou a ajuda da Deusa para sua casa, permanecerá algum tempo em introspecção e oração visualizando as vibrações de harmonia, paz, alegria e proteção preenchendo seu lar e agradecerá as bênçãos recebidas da amada Mãe Divina Frigga.



RITUAL DE FRIGGA PARA PROTEÇÃO

Esse ritual invocará a proteção da Deusa Frigga durante todo o ano.Para fazê-lo, deve semear em seu jardim ou em um vaso si não possuir um pátio.As melhores sementes para esse ritual são as de Tanaceto (Tanacetum parthenium), já que essa erva simboliza a proteção e são de fácil cultivo.No entanto, pode escolher qualquer outra planta.Cave o solo cuidadosamente, verificando se o solo está livre de ervas daninhas.Enterre as sementes fazendo a forma de uma runa nórdica que significa proteção.

A forma é de um "Y" maiúsculo, porém com um traço central contínuo, como mostra a figura acima, de maneira que o símbolo três pontas assinalando até o alto.Enquanto espalha as sementes na terra diga: -
"Deusa Frigga, de igual modo que essas sementes cresceram altas e fortes, proteja-me durante todo o ano". Trate suas ervas cuidadosamente, recortando-as e arrancando qualquer que cresça fora do formato da runa. No final do outono, recolha algumas sementes, para que possa repetir o ritual no próximo ano, porém não é preciso arrancar a planta para voltar a fazer o ritual na primavera. 

2 comentários: